Artigos

O conhecimento e a questão ambiental

O conhecimento e a questão ambiental

O conhecimento, dizia meu avô Edward, é algo que ninguém pode te tirar. E ele sabia do que estava falando. Imigrante vindo da Alemanha, que então atravessava forte crise econômica, chegou ao Brasil com a esposa e a filha pequena, minha mãe, em meados dos anos 1920. Trabalhou como empregado em fazendas, foi vendedor, dono de restaurante, mecânico de automóveis. Em sua terra natal era técnico em mecânica e fazia manutenção em máquinas. Aqui no Brasil, naquela época, sua profissão tinha pouca procura, devido ao baixo desenvolvimento da indústria.

Meu avô, no entanto, era persistente – característica de quase todo imigrante, em qualquer parte do mundo. Acompanhou o desenvolvimento da tecnologia no Brasil e, sempre adquirindo novos conhecimentos, tornou-se um especialista em sua área. Comprava e às vezes mandava importar livros, que estudava à noite, depois de um cansativo dia de trabalho. Dormia tarde e acordava cedo.

Passados os anos, a economia e o parque industrial brasileiro se sofisticaram. Meu avô, depois de ter conseguido suficientes conhecimentos sobre o país e suas oportunidades, decidiu fundar uma fábrica de bombas industriais; uma das primeiras no Brasil. Ainda criança, lembro-me dele sentado no amplo terraço de sua casa, sempre me dizendo: “O que você tem na cabeça, ninguém pode te tirar. Estude!”

Mas, por quê falar de meu avô, de conhecimento e esforço em adquiri-lo, numa coluna que, por tradição, sempre discute algum tema relacionado com o meio ambiente ou a ecologia? Exatamente por isso!

Nosso planeta atravessa uma fase muito crítica. Somos hoje mais de sete bilhões de pessoas vivendo na Terra. Esta massa humana só pode sobreviver porque ao longo das últimas seis ou sete décadas, a humanidade desenvolveu tecnologias que possibilitaram a produção e a distribuição de um maior número de bens, alimentos, medicamentos e de variados serviços. A miséria e a fome endêmicas foram praticamente eliminadas em todos os países, e parte da humanidade tem um padrão de vida superior ao de seus avós, com a ajuda da tecnologia.

Mas, o avanço tecnológico trouxe consigo seus problemas. Desde o início da industrialização, no século XVIII, assistimos à gradual destruição dos recursos naturais. A água, as florestas, a atmosfera, a biodiversidade, os solos; estão sendo destruídos ou contaminados em um ritmo tão rápido, que não podem ser repostos por processos naturais. A população cresceu e se deslocou dos campos para as cidades, onde encontra melhores condições de emprego, moradia, educação e saúde. Atualmente, cerca de 54% da população mundial é urbana e até 2050 este percentual deve subir para 66% segundo estudos da ONU. São vários os problemas ambientais advindos deste aumento da população mundial e do crescimento das atividades econômicas.

As novas gerações precisam ser educadas neste novo contexto. Os estudantes que serão profissionais em cinco, oito ou dez anos, precisam ser preparados para conhecerem todos os aspectos ambientais de suas futuras atividades. Isto para que os recursos naturais, como dizem os especialistas, possam ser utilizados de maneira cada vez mais eficiente, reduzindo o impacto das atividades econômicas ao meio ambiente.

Para colocar em prática esta estratégia o mundo, e o nosso país especialmente, precisam do conhecimento, já que “o que você tem na cabeça, ninguém pode te tirar”!

Texto: Ricardo E. Rose

contato@sustentahabilidade.com

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Dia da Árvore e o bem estar

Dia da Árvore e o bem estar !

Roberto Mangraviti21 de setembro de 2020
Bioinseticida combatendo a mosca branca na agricultura

Bioinseticida combatendo a mosca branca na agricultura

Roberto Mangraviti7 de setembro de 2020
Unicórnio nacional é destaque no mundo dos negócios ambientais

Unicórnio nacional é destaque no mundo dos negócios ambientais

Roberto Mangraviti8 de agosto de 2020

Energia limpa crescendo em 2020 no Mundo

Roberto Mangraviti3 de agosto de 2020
Novo marco legal do saneamento

Novo marco legal do saneamento

Roberto Mangraviti26 de julho de 2020

Conheça do benefícios das plantas medicinais e aromáticas

Isabel Gimenez20 de julho de 2020

Primeiro pivô de irrigação por energia solar é lançado no Brasil

Roberto Mangraviti13 de julho de 2020

Biosolvit é ganhadora do Virtual South Summit de Sustentabilidade

Roberto Mangraviti28 de junho de 2020

Transações online de gado ganham força durante pandemia

Roberto Mangraviti15 de junho de 2020

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com